Investigação Científica Independente

Gaynor Minden capturou a atenção de investigadores médicos em diversas universidades de renome. Os seus estudos independentes mostram a superioridade das pontas Gaynor Minden em conseguir promover alinhamento correcto, absorver impacto e manter suporte.

show all | hide all

Melhor alinhamento.

Uma bailarina de 52 kg que inverte o pé apenas 2º, como se mostra acima, pode transferir 18kg para o lado do tornozelo, o sitio mais vulnerável para um entorse. Enquanto dança, essas forças podem aumentar até 10 vezes o valor do seu peso.

Mesmo bailarinas altamente treinadas conseguem melhor alinhamento com pontas Gaynor Minden, segundo o estudo do Departamento de Ciência do Exercício na University of Massachusetts, em Amherst.

O alinhamento correcto é crítico para ter técnica de ballet clássico, desenvolvimento muscular correcto e proteção contra lesões das articulações. As forças exercidas sobre o tornozelo durante actividades rigorosas de dança podem alcançar 10 vezes o peso do corpo. O alinhamento incorrecto pode transmitir estas forças potencialmente prejudiciais à parte central ou lateral das estruturas do tornozelo. A análise cinética dos tornozelos das bailarinas mostrou que havia redução do descair do tornozelo e que as bailarinas se colocavam mais direitas em pontas Gaynor Minden do que em pontas tradicionais.*

Superior domínio de movimento, distribuição do peso e estabilidade.

Investigadores da Escola de Medicina Podiátrica da Temple University estudaram os problemas da estabilidade e do alinhamento, neste caso utilizando um "pedobarograph”. Mais uma vez, as pontas Gaynor Minden provaram-se superiores a outras sapatilhas e mostraram ter 38% mais de área de contacto utilizável. **

Maior absorção de impacto.

Para além disso, a equipe da Temple University avaliou a absorção de choque usando a tecnologia avançada de F-Scan que lhes permitiu detectar as pressões actuais nas áreas específicas do pé enquanto dançavam. Mais uma vez, as pontas Gaynor Minden provaram ser superiores. Todos os sujeitos nos estudos da Temple University eram bailarinas profissionais.

Muito maior durabilidade.

Um estudo no Laboratório de Ortopedia Biomecânica do Union Memorial Hospital em Baltimore, Maryland, publicado no American Journal of Sports Medicine avaliou a durabilidade de várias marcas de sapatilhas de pontas usando uma máquina que simula um relevé. As pontas Gaynor Minden ainda estavam fortes depois de 248.000 ciclos de relevé. As outras marcas nem por perto. ***

Ciclos de relevé simulados antes da falha das sapatilhas

*Worthen, L. et al., “Biomechanical Issues in Ballet: Alignment at the Ankle in Pointe Shoes,” Performing Artists Medicine Association, proceedings of Annual Meeting, 1997.
**Ng, G. et al., “F-Scan Evaluation of a Revolutionary Pointe Shoe Design,” Temple University School of Podiatric Medicine 14th Annual Scientific Seminar, 1999.
***Cunningham, B.W. et al., “A Comparative Mechanical Analysis of the Pointe Shoe Toe Box,” American Journal of Sports Medicine 26(4):555-561, 1998.